NOTÍCIAS
07/08/2017
Clima preocupa produtores de trigo

Falta de chuva em praticamente todo o mês de julho pode gerar perdas futuras.

Com 100% do trigo plantado, a área da cultura na região de abrangência da Cooperativa Agropecuária Camponovense (Coocam), ficou em aproximadamente 1.500 hectares, com 800 hectares para sementes e o restante destinado ao consumo. Na safra passada, foram plantados 2 mil hectares de trigo. A redução também se confirma no município de Campos Novos, com cerca de 5, 5 mil hectares, contra 7 mil hectares em 2016.

O Engenheiro Agrônomo Helan Paulo Paganini, afirma que a redução na área plantada ocorre em função do custo de produção. “Ano após ano a área de trigo vem diminuindo, mas a Coocam tem conseguido manter as áreas, praticamente quase as mesmas do ano passado. Em 2016, o produtor teve uma produção boa, qualidade muito boa do trigo e ainda o preço não foi o melhor, o produtor vendeu a cerca de R$ 36,00 o saco. Nesse ano o produtor está vendendo o saco em torno de R$ 30,00. Preço bom para o produtor se sentir estimulado a plantar trigo e vender seria a partir dos R$ 38,00 a R$ 40,00 o saco”.

Embora considerada uma cultura de alto risco, o trigo é um alternativa ao produtor que não explora a pecuária, para não deixar o maquinário e mão de obra parados durante o inverno. “O trigo é uma cultura de risco e pelos custos de produção e preço de venda do produto final, tem que produzir muito para valer a pena e empatar o custo. O produtor que está plantando hoje é o que tem área disponível e não coloca gado em cima, que tem o maquinário parado no inverno e funcionários que podem ficar parados no inverno. Mas pelo custo da produção, tem que produzir pelo menos 80 sacos por hectare, que é considerada uma alta produtividade”, enfatizou Helan.

A expectativa no começo do ano era de que Santa Catarina diminuísse a área plantada de trigo, mas que a produção aumentasse por causa das novas tecnologias no campo. O problema é que a falta de chuva que afeta o estado já comprometeu uma parte da lavoura.

Muitos produtores já estão calculando os prejuízos mesmo no início da produção. Helan Paulo Paganini falou sobre a influência do clima na cultura. “Nos primeiros plantios de trigo, após aquela chuva forte, quem entrou na janela de plantio e plantou no início que teve umidade do solo, conseguiu uma germinação uniforme do trigo e a cultura ainda vai conseguir se desenvolver. Mas quem plantou no seco e não veio chuva, esse trigo nasceu com pouca umidade, desparelho, deixando um estande de plantio desuniforme. E ainda tivemos aquele plantio da última chuvinha de 12 milímetros, que ainda com essa pequena precipitação, não foi o suficiente para termos uma boa germinação e conseguirmos um estande uniforme. E com essa precipitação prevista para esta semana, essas áreas poderão ter um desenvolvimento melhor, mas o produtor já contabiliza as perdas. Agora quem plantou no seco, com certeza vai haver perdas lá na frente, porque hoje para o produtor de trigo ter uma rentabilidade alta não pode errar em nenhum momento do ciclo da cultura”.

A falta de água pode comprometer as áreas plantadas nas lavouras que estão com população abaixo do ideal e vão influenciar na produtividade da cultura. Já o frio é benéfico para o trigo, desde que ocorra na época certa. “Agora no estágio de perfilhamento é importante a geada. Mas se der geada pra frente, pode acarretar problema, porque pode atingir o cacho do trigo ou mesmo quando estiver emborrachando, aí a perda é grande”, considerou ainda o Engenheiro Agrônomo da Coocam.


Para quem arriscou investir no trigo, deve estar atento ao controle de pragas e doenças. “Quem arriscou deve caprichar na adubação de base e nitrogenada, ter os cuidados necessários para evitar a incidência de pragas e doenças como as manchas e lá na frente quando o trigo está soltando a flor temos muitos problemas com a giberela, que pode ocasionar uma perda grande no trigo”, concluiu Helan.

Fonte: Agrolink

GALERIA DE FOTOS
Nenhuma imagem cadastrada.
 
OUTRAS NOTÍCIAS
21/