NOTÍCIAS
04/12/2018
Intensificação sustentável não garante agricultura ecológica
Um estudo realizado por pesquisadores da Universidade de East Anglia (UEA), dos Estados Unidos e da Universidade de Copenhagen, na Dinamarca, concluiu que há evidências limitadas sobre os resultados sociais e ecológicos positivos da intensificação sustentável da agricultura na ciência e na política. De acordo com os pesquisadores, muitos acreditam que isso é capaz de acabar com a fome e proteger a biodiversidade, conforme estabelecido nos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da Organização das Nações Unidas (ONU) e do acordo climático de Paris.

Em uma tentativa de solucionar essa lacuna de conhecimento, pesquisadores da UEA e Copenhague, trabalhando com colegas na Escócia, França e Espanha, realizaram uma revisão de 53 estudos existentes sobre bem-estar humano e serviços ecossistêmicos resultados de intensificação agrícola. Em geral, eles acham que a intensificação agrícola, raramente leva a resultados positivos simultâneos para serviços ecossistêmicos e bem-estar humano.

Adrian Martin, professor de meio ambiente e desenvolvimento, informou que eles têm “poucas evidências para apoiar o peso da expectativa que atualmente vemos associada à intensificação da agricultura. Pelo contrário, descobrimos que os resultados negativos ainda são comuns. Poucos dos casos que examinamos fornecem evidências de que a intensificação da agricultura está contribuindo simultaneamente para acabar com a fome e alcançar o uso sustentável dos ecossistemas terrestres”.

Os pesquisadores também descobriram que é importante ver como a intensificação é introduzida, por exemplo, se é iniciada pelos agricultores ou forçada a eles. A mudança é frequentemente induzida ou imposta aos grupos populacionais mais vulneráveis que muitas vezes não têm dinheiro suficiente ou segurança de posse da terra para fazer essas mudanças funcionarem.

Fonte: Agrolink
GALERIA DE FOTOS
Nenhuma imagem cadastrada.
 
OUTRAS NOTÍCIAS
09/11/2015